05 fevereiro 2008

Os cartões corporativos foram a gota d'água.

Senhor Presidente do Brasil, ilustríssimo e querido: eu saí do Brasil para buscar o paraiso em terras estrangeiras mas notei e anotei que depois que o senhor passou a ser o nosso amado Presidente, o paraiso passou a ser o Brasil. Cada dia mais eu tenho certeza que estou no caminho errado e quero voltar pra casa. No lugar de ter vindo bater na porta das Europas (glumht !) eu devia era ter batido nas portas de Brasília. Vejam só, de posse de um desses "cartões corporativos" bem ativos, pagando todas as minhas contas, eu estaria bem melhor de vida, senhor Presidente Lula. Ninguém nunca ouviu falar que nenhum outro país do mundo tivesse cartões beneficientes como estes. E olha que eu vi , por estas bandas de cá, países ricos, países que poderiam se dar ao luxo de tais afetos, digo, fatos.
Me chama que eu vou correndo trabalhar aí meu Presidente! Ó gente ! Meu Brasil brasileiro é o paraiso, gente ! Abre o jornal que qualquer um pode provar o que eu estou dizendo. Basta ser parente do Presidente, ou funcionário do planalto que o cabeleireiro é pago a farmácia é paga, o supermercado é pago, o aluguel é pago, as férias são pagas e até aquele churrasquinho de fim de semana é pago, as Eskóis são pagas, Bramois também e eu vim procurar o paraiso aqui tão longe? Prova de que o mundo é feito de imbecis como eu, pois os vivos estão em Brasília sô!
Olha, senhor Presidente, vamos fazer um acordo. O senhor candidata-se ao terceiro mandato e eu faço o cabo eleitoral em todos os meus blogues. Quando o senhor for empossado, me chama de volta pro Brasilis e bota na minha mão um cartão corporativo. Não precisa fazer mais nada pra mim. Com este cartão "paga-tudo" é mesmo que ganhar na loto. Tá feito o acordo. Aguardo a sua resposta.
Enfim, é melhor ter escrito na testa "esperto" que idiota. Aliás, eu cansei de ser idiota.
E pior é que nem colocando um binóculo consigo localizar um salvador da pátria mãe para os próximos 100 anos.
Por Alda Inacio
Que Deus acompanhe você em tudo que fizer. Volte sempre.