24 março 2008

Quem pagou "primeira classe" para a cafetina brasileira que derrubou o governo de Nova York?

E você ainda acredita em religião? Leia os jornais brasileiros de hoje.
O avião da cafetina que derrubou o governo de Nova York foi pago em primeira classe pelo Bispo Macedo da Igreja Universal do Reino de deus. Gente, está valendo a pena bater bolsinha, viram? Até a palavra cafetina entrou na moda no Brasil. Afinal, ela era usada com tanta discrição e já estava quase abolida da nomenclatura atual, agora é moda, está na boca de todo mundo.
Eu posso até apostar que a cafetina já foi convidada pela Playboy e deve posar nua nas próximas edições, ou será que ela vai se converter ao evangelho da Universal do Reino de deus?
Por que será que o Bispo Macedo dono da TV Record, a qual já convidou a mim para participar de um programa sobre Pedofilia e eu recusei o convite, porque será que o santo homem fez um ato tão bondoso de pagar a primeira classe para a"demoiselle"?
Explico aqui: fui convidada pela TV Record e recusei, porque conheço o sensacionalismo da Record em tudo que faz e eu não entro de cabeça em coisas que não sei direito o rumo que vai ter.
Eu pergunto ao Bispo Macedo: porque o senhor não dá primeira classe aos deportados da Europa que são enviados de volta ao Brasil algemados? Eles são presos na Europa como bandidos e estão aqui apenas para dar um futuro melhor aos seus filhos, já que no Brasil estes filhos morreriam miseráveis, devido às más condições salariais oferecidas aos pobres brasileiros. Por que o senhor Bispo Macedo não oferece primeira classe a quem tem dignidade, a quem precisa de ajuda?
A cafetina do Estado do Espírito Santo tem dinheiro suficiente para pagar ela mesma a primeira classe mas...e aí tem um grande MAS.... quem sabe ela converte-se ao evangelho da Universal ? Desta forma o retorno financeiro será certo. Parabéns Bispo Macedo, o senhor é um homem de marketing.
Quanto mais conheço a humanidade mais amo os animais.
Por Alda Inacio
Que Deus acompanhe você em tudo que fizer. Volte sempre.