15 janeiro 2009

Quadrilha é presa por prostituir goianas na Suiça

Mais uma vez os escândalos nacionais aparecem e eu fico me perguntando o que estas mulheres pensam ao aceitar uma proposta de trabalho na prostituição em outro país? Fico com pena destas pobres coitadas que veem nesta uma possibilidade de melhorar de vida. Você piora de vida minha filha e os malandros que prometem tudo, vão te estorquir os olhos da cara. Eu não sei porque a maioria das mulheres brasileiras veem nos estrangeiros um deus maravilhoso. Veja que em 2002 meu pretenso genro belga foi comigo e com minha filha casar no Brasil e lá foi tratado como um deus que todo mundo queria ver, falar e tocar. Hoje, 6 anos depois de casados, minha filha está tentando o divórcio com o "deus banana" e que problema, nossa!
Moças brasileiras, valorizem os homens com "H" do Brasil pois o dia que vocês conhecerem um destes estrangeiros e puderem sentir a diferença vão lembrar das minhas palavras. Não queiram que eu explique, por favor !
Quanto a estas moças que foram conduzidas para a Suiça com muitas promessas é inútil falar; elas sabem que é crime, elas sabem que tem denúncias mas continuam vindo. Seria melhor arrumar um serviço de limpeza no Brasil. Seria mais digno bela!
Lembro-me do dia que decidi vir para o estrangeiro, nem sabia falar "bom dia" em francês, vim sozinha, sem promessas, vim consciente que seria duro, vim sem conhecer ninguém, lavei chão, fiz babysiting e só consegui trabalhar com uma Ong e fazer traduções depois de receber meus papéis, e isto porque o governo belga abriu esta possibilidade em 2002. Caso contrário eu estaria lavando chão até hoje.
Olha aí moças, não há dinheiro que pague a dignidade e não há dinheiro que pague as lembranças dos erros que você comete na juventude. Ser tratada como criminosa não enfeita currículo de ninguém, pense nisto!

Por Alda Inacio
Que Deus acompanhe você em tudo que fizer. Volte sempre.