24 junho 2009

Minha vida na Bélgica - 7° capítulo

Capítulo
             
           Agência de matrimônio.


A garagem transformada em quartos, onde eu fui morar, abrigava um número grande de pessoas. A cozinha centralizava as discussões cotidianas, principalmente à noite, quando todos voltavam do trabalho e iam preparar o feijãozinho nosso de cada dia.
 Àquela época eu ainda estava muito apegada à comida brasileira e dançava um samba junto com os outros moradores para descobrir onde comprar feijão, raridade na cidade.
Sempre vinham novas notícias: "Abriram um novo empório", alguém passava o endereço. Informações desta natureza corriam rapidamente, mas notícias sobre trabalho eram guardadas a sete chaves.  
Cada um tentava se virar como podia e no tocante a tipo de trabalho, a maioria das mulheres só queria serviço vai e volta diário, apesar de saberem que só conseguiriam juntar dinheiro aceitando trabalho interno. E essa não seria eu. Interno era como prisão, sem contar que todas as mulheres do grupo queriam arrumar um marido.

A sequência está no livro, visite o site da Editora Perse.

Que Deus acompanhe você em tudo que fizer. Volte sempre.