14 janeiro 2013

Opinião sobre o livro "A cabana" de Willian Young

Vou levantar uma questão aqui que talvez desagrade a muita gente, mas eu creio que cada um deve ter opinião formada sobre assuntos que tocam a Bíblia. Por que colocar isto aqui? Porque tem crente achando este livro a maravilha das maravilhas e citando o livro mais do que a Bíblia. 

 Faz alguns anos que eu ouvi falar nesse livro, a cabana, aliás, ele é um grande Best-Sellers, vendeu, desde 2007 quando de seu primeiro lançamento, mais de 12 milhões de cópias. Eu passei anos querendo ler e finalmente semana passada, virando ano novo, eu pude ter o famoso livro em minhas mãos. Recomendado por tanta gente que até perdi a conta. Criei até ansiedade de tanto que queria ler o bendito livro. 

Coloquei-me diante do livro e me surpreendi com o primeiro capítulo, onde o autor conta seu relacionamento com seu pai, e deixa no ar o que? Que fugiu de casa depois de ter colocado veneno de rato em todas as garrafas de bebida alcoólica que encontrou. Bonzinho ele, sendo o pai um alcoólatra, consequentemente... deduza você. O autor não conta a sequência deste primeiro capítulo, fica subentendido que algo de ruim aconteceu ao papai, como também não conta que ao encontra-se com Deus na cabana, ele, o personagem, teve um minuto sequer de arrependimento diante de Deus para com o ato praticado. 

Quando o personagem recebe o bilhete-convite para ir à cabana, o bilhete vem assinado "papai" ele chega a pensar que foi seu pai que talvez não tenha sucumbido no passado e agora queria encontrá-lo para se vingar dele. Este encontro com Deus na cabana, onde mostra as três pessoas da trindade travestidas em mulher, seriam Jesus, Deus pai e o Espírito Santo. A Bíblia conta que Deus na sua forma original não pode ser visto por olhos humanos, por isto, o intermediário entre Deus e o homem foi Jesus e posteriormente o Espírito Santo. Então a negra gorda sendo Deus no livro, atuando ao lado de Jesus é estória da carochinha e se o autor quis surpreender o leitor com esta encenação, fez foi ridicularizar sua própria inteligência. 

 As mesmas 3 pessoas da trindade mostradas ali já são uma heresia, uma quebra de paradigma, a qual ninguém precisa ter em mente, obrigada, pois Deus é uma figura forte, figura masculina. Por outro lado, o autor até se dá ao luxo de descrever a visão da menina que foi morta, onde ela aparece em plena forma, e Deus proporcionou esta aparição apenas para acalmar o pai desesperado. Coisa para arrepiar os pelos de qualquer crente. Isto está mais para espiritismo, coisas do além. 

 Claro que um pai fica passado tendo uma filha violentada e morta, mas, com certeza, se Deus viesse ao homem, como conta a estória, seria primeiramente para fazê-lo chegar ao arrependimento de seus pecados e depois viria o consolo. O homem sem arrependimento é o homem sem perdão e para este homem Deus nunca apareceria, a não ser na figura do Espírito Santo e para convencê-lo dos pecados. Não houve arrependimento e Deus foi à cabana, convivendo com o personagem por longas e encasáveis páginas, somente e tão somente para consolar o coitado? 

 Eu nunca vi uma obra tão debatida e de opiniões tão contrárias como esta. Existem pessoas que adoraram o livro, ceio que são pessoas que não conhecem a Bíblia. Eu detestei, não conseguia dar continuidade à leitura, aquela conversa mole do personagem com Deus durante quase 200 páginas foi medíocre, cansativa, livro mal traduzido, sem nenhum sentido para mim. 

 Portanto, esta é minha opinião. Não recomendo. 

 Por Alda Inácio.
Que Deus acompanhe você em tudo que fizer. Volte sempre.