08 novembro 2013

A insensibilidade é um mal sorrateiro

Nos últimos tempos vem ocorrendo um fenômeno na vida de muitos crentes.  Ele é sutil. Pode passar despercebido para muitos, mas é real e alarmante. Acontece dentro das famílias e também dentro das igrejas. É um tipo de esfriamento de sentimentos de uns para com os outros, aquele sentimento que chamamos de alteridade, que nos liga uns com os outros. Ocorre  uma espécie de insensibilidade que faz com que as pessoas não sintam falta umas das outras.
As vezes dentro de um lar este tipo de esfriamento começa a minar e acaba por matar o amor entre o casal e afastar pais e filhos. Eu não estou falando de afastamento por mágoas, por ofensas, não. É um esfriamento sem explicação. Ele vai dominando sorrateiramente as pessoas e estas passam a não fazer atenção com o outro de várias maneiras, ao ponto de um não sentir mais a falta do outro, seja entre irmãos, entre pais e filhos, entre membros da mesma igreja.

A gente observa  os membros da igreja que chegam na hora do culto correndo, mal assistem o culto e saem correndo. Não há tempo para convivência, tempo para ouvir uns aos outros, tempo para se conhecerem, como deveriam, já que se preparam para viverem juntos eternamente e, sendo irmãos, pois são irmãos em Cristo, mais parecem desconhecidos que mal cumprimentam  um ao outro. 

Este texto não é direcionado, mas sim um assunto que eu venho observando ao longo de algum tempo e tenho ouvido pessoas me contarem que antes de serem crentes viviam rodeados dos próprios familiares e estes também convertidos, hoje nem se visitam mais. Ora, se não há união mesmo dentro de uma família em que todos os membros são crentes, então que tipo de amor estas pessoas pregam, e sentem dentro delas?

Muitas pessoas têm muitas palavras bonitas para pregar, palavras retiradas da Bíblia, até se afirmam "eu tenho um coração cristão". Mas o que é ter um coração cristão? 

A Palavra de Deus nos diz que após a conversão recebemos um coração transformado, onde habita o amor ao outro, o amor até pelos inimigos, onde o Espírito Santo habita. Mas, muitas dessas pessoas vivem rodeados de amigos ímpios, adoram esses amigos, e os próprios irmãos da igreja são praticamente desconhecidos para elas.  Muitas pessoas tem como relação com Deus uma ida na igreja no domingo. Nada mais. Consume-se o que diz em Mateus 24:12 que no fim dos tempos o amor de muitos esfriará.

É o que temos visto em nossos dias. Triste isto. 

Graça e paz a todos.

Por Alda Inácio
Que Deus acompanhe você em tudo que fizer. Volte sempre.