03 novembro 2007

A OUTRA FACE DA "EUTANÁSIA"

Alguns anos passados ninguém ousava falar em eutanásia, porque esta palavra tinha conotação de "assassinato" e apesar de alguns países terem criado leis que autorizam esta prática, outros fecharam questão sobre ela.
Eu tenho um olho crítico para com a vida e uma desconfiança acentuada para cada ação humana, nada confortável para mim e que me coloca à parte nas relações humanas, dificultando-as.
Vários casos de "eutanásia" eu tenho acompanhado de longe; amigos, a mídia em geral e o que leio e ouço falam-me de uma ação benéfica de famílias que, para abreviar o sofrimento de um ente querido, cortam o cordão que os liga à vida, para evitar que estas pessoas, em estados terminais, continuem a sofrer prolongadamente.
Sempre olhei estas ações isenta de opinião, porque sei que não estamos aqui para sofrer e porque só Deus deve decidir quando botar fim ao sofrimento humano.
Mas, estas questões são delicadas e as famílias nos passam suas razões, caricaturas bem trabalhadas e acabamos por consolar o membro da família que praticou a eutanásia. "você fez o que tinha que ser feito...foi melhor assim...deixar sofrer para que ? E assim por diante, as palavras são de apoio e com elas ajudamos a limpar a consciência do "assassino".
E a vida sempre me coloca diante de fatos concretos; leia esta pequena história a seguir.
*
História verdadeira:
Eu gosto de falar com pessoas simples, pessoas vividas, que tem longas histórias para contar e assim conheci, aqui na Bélgica, Jeannine (blogue "l'entour de gigi") e seu marido Hugo. Ela é emprega doméstica há 40 anos dentro na mesma família. Ela não tem um braço; é defeito de nascença, mas, ela trabalha muito e tem uma bela casa, uma linda cachorra e um marido adorável. São eles alguns dos meus poucos e verdadeiros amigos.
Ela cuidou de "Lisbeth" a vovó, durante 30 anos; a vovó que era refugiada de guerra e recebia uma pensão de mais ou menos 4.500, euros por mês. Lisbeth tinha a filha única Natalie e a neta única Mony.
A vovó adoeceu, foi parar no hospital e Natalie e Mony, reviraram o mundo, para buscar quem a salvasse. Ela já estava com 84 anos. Foi e voltou para o hospital muitas vezes e sempre foi uma correria para salvar Lisbeth, a vovó. Ela tinha Alzaimer viveu dos 84 aos 94 anos de hospital em hospital, sanando várias doenças. Morreu em casa, depois de passar 10 anos como um vegetal.
Depois disto Jeannine foi ocupar-se de Natalie, a filha e durante dez anos ali trabalhou. Hoje Natalie tem 85 anos. Ela recebe uma pensão de 750, euros que é a média das pensões mínimas na Bélgica. Semana passada Natalie adoeceu e foi parar no hospital. Está com infecção urinária e retenção intestinal grave, não é cancer, é distenção do intestino. Foi operada dia 30/10, e fazem três dias que ela está no coma artificial (coma medicamentoso)
Ontem, Mony, a neta de 65 anos explicou a Jeannine que "não vai deixar sua mãe sofrer", que vai aguardar o neto chegar de férias do Egito segunda feira e vai desligar o coma artificial. Disse também que hoje irá ao hospital, procurar um médico que resolva o problema, pois o outro médico que acompanha o caso repete que Natalie está em estado "estável" e tem-se que aguardar.
Mony repetiu à Jeannine :eu disse ao médico " até quando ela vai ficar estável? Vai esperar o resto da vida"? E Jeannine me telefonou agora cedo chorando, dizendo: Alda, eu estou horrorizada; eu vivi tudo o que se passou com Lisbeth que foi guardada até o último fôlego de sua vida para preservar a grossa pensão que ela recebia e agora, Natalie é no como artificial fazem três dias querem cortar sua vida.
Bom meus amigos, esta é a outra face da Eutanásia que só em casos especiais a gente pode ter a chance de conhecer. O dinheiro tem prioridade em tudo, é ele quem manda, ele é superior ao amor, ele é superior à dignidade, ele é o mestre do mundo. Triste, lamentável, horripilante.
Segunda feira 05/11 vão cortar a vida de Natalie; sua vida vale menos que a pensão recebida mensalmente.
Este post gerou uma reviravolta no caso Natalie, teve quem lesse e exercesse pressão junto à família e talvez por isto desistiram momentaneamente de pôr fim à sua vida; Natalie recupera-se, seu aparelho urinário e digestivo funciona, a operação foi bem sucedida e nós continuamos torcendo para que ela volte à casa para viver ainda pelo tempo que Deus quiser.
PS I: Hoje 14/11 - Ao que parece a família vai desligar a máquina que mantém em vida Natalie nesta quinta ou sexta feria. Foram as palavras da filha ontem.
PS II: Em 15/11 os tubos que mantinham Natalie em vida foram desligados a pedido da filha e Natalie morreu.
Por Alda Inacio
Que Deus acompanhe você em tudo que fizer. Volte sempre.